As letras do 9ºD

Blog dos alunos do 9ºD da Escola EB 2/3 de Penafiel N.º2

Fidalgo: outras leituras

Posted by José Ferreira em Outubro 13, 2008

Vivam!🙂

Aqui fica o registo áudio da Cena do Fidalgo-MP3 feito por alunos da turma.

fidalgo1

Como prometido, eis o dito trabalho de casa para quinta-feira.🙂

Na pág. 30 do manual encontram-se três textos que nos ajudam a compreender a situação da classe social a que pertence o Fidalgo, mas também a entender a crítica de Gil Vicente de que a mesma foi alvo.

O que se propõe é que cada um leia esses três textos e em comentário a este post comunique as conclusões a que chegou sobre  situação económica e social da nobreza e a atitude de Gil Vicente face à Nobreza.

Claro que poderão completar as vossas leituras com outros textos que encontrem sobre esta temática.

Como vêem, não é nada que não consigam fazer.🙂

Já agora, deixo também a seguinte questão: qual será(ão) a(s) mais valia(s) da utilização do blog na realização deste trabalho?

Boas conclusões!😉

38 Respostas to “Fidalgo: outras leituras”

  1. ritakau said

    Professor a pág.81/82 do manual, fala sobre o léxico português… É sobre aquilo que o Sérgio e o Alcino apresentaram o trabalho.

    Tem a certeza que é sobre isso? Porque eu não estou a perceber
    😦

  2. ferreirajoma said

    Têm razão. É a página 30. Já corrigi.🙂

  3. ritakau said

    Obrigado professor !

  4. evasousa said

    Então prof. a mais valia é que assim todos os alunos da turma podem ver o trabalho de cada um e não é preciso estar-mos a perder tempo na aula, já para não falar que os utilizadores da net podem ver o nosso blog e aprender alguma coisinha connosco!!!😉

  5. elsapinto said

    Olá Prof aqui vai o meu trabalho de casa .
    Na minha opinião a situação económica e social da nobreza é a seguinte : a nobreza estava em decadência económica e até cultural mas como sabemos , vivia dentro de riquezas, explorando o trabalho dos criados e desprezando-os e nunca lhes dar o prometido . Os fidalgos (nobreza) apesar da decadência apresentavam-se na rua com 9 criados , (cada um com as suas características), e eram gozados pelos castelhanos pela soberba e vaidade deles .
    A atitude de Gil Vicente face à nobreza é que não se conformava em ver o pedantismo (pedante-que ou aquele que faz ostentação de conhecimentos superiores aos que possui, impostor)e o lazer destes fidalgos.

    Ai porf , deve estar tudo mal😦 Mas tentei .

  6. evasousa said

    A Nobreza (classe onde se insere o fidalgo), estava em decadência económica e cultural, mas mesmo assim viviam cheios de riqueza, explorando e desprezando os mais fracos.
    Desfrutavam de servidores e nem lhes pagavam o seu trabalho. Eram vaidosos, rigorosos e sátiros.

  7. evasousa said

    Á esqueci-me de uma coisinha!!!!🙂
    Gil vicente não se conformava com o pedantismo(que é aquilo que a Elsa referiu) e com o lazer dos fidalgos que não trabalhavam porque achavam que não havia trabalho algum digno da sua classe mesmo estando a sua capital nas ruas da armagura.

  8. mariana16 said

    Olá!

    As minhas conclusões sobre a situação económica e cultural da
    nobreza são que estas estavam em decadencia mas, os nobres continuavam a gabar-se de riquesas, a explorar e desprezar o trabalho dos servidores, a querer mais títulos, prometendo coisas e não as cumprindo.
    Face a este acontcimento, Gil Vicente nas obras “Auto da Barca do Inferno” e “Farsa dos Almocreves” critíca esta nobreza nomeadamente pela soberba insensata e pela ostentação de grandeza á custa dos servidores que trabalhavam sem ser pagos.

    Acho que a realização deste trabalho no blog será uma mais valia porque aqueles que estiverem a dar esta obra, podem adquirir daqui alguns conhecimentos sobre este.

    Bom prof, para eu tirar conclusões de alguma coisa foi sempre complicado portanto, se este relatório estiver todo mal e já não me admiro.

  9. ritakau said

    Olá

    Esta foi a minha conclusão:
    A nobreza no tempo do Mestre Gil, era uma nobreza em decadência nos aspectos económico e cultural, mas esta decadência não foi motivo para pensar em abandonar os seus hábitos de vida tão cheios de ostentação. Por isso continuaram a desprezar os mais pequenos e a ambicionar dotes e títulos. Passavam então muito tempo em torno do rei, para que este sustentasse os nobres, e também os seus pajens. Estas atitudes deixavam toda uma burguesia revoltada e descontente. Mestre Gil, por todas estas razões, foi um severo atacante à nobreza, como se pode constatar no “ Auto da Barca do Inferno” e na “ Farsa de Almocreves”. Gil Vicente não suportava todo este luxo, todos os pajens, as suas exageradas vestimentas que nunca ninguém tinha ousado vestir e as suas procuras desesperadas pelos dotes burgueses.

    Espero que esteja correto !😛

  10. ritakau said

    A mais valia deste trabalho expsoto no blog será que assim todaa gente tem que cá vir (já que muitos ainda não vieram cá) …
    E se alguém que não esteja integrado na turma e quiser saber mais sobre a obra, tem aqui um bom meio para aprender mais !

  11. elsapinto said

    Concordo com a Rita (:
    E também espero que no final do ano o prof nos compense com uma boa notita , a que merecemos ;D
    ahahahah*

    Fiquem bem . E vejam lá (aqueles que raramente nunca vêm cá) se começam a vir mais vezes , até é divertido !😀

  12. vanessa94 said

    Olá!!!

    A minha opinião sobre a situação económica e social da nobreza é a seguinte:é que esta estava em decadência económica e cultural, mas vivia cheia de riquezas, explorando o trabalho dos servidores e desprezando-os, prometendo muito e nada davam, ambicionando títulos, e tinham a ambição de apanhar doações régias e comandos de armadas e capitanias, pois era o único meio de contrabalançar o seu capital.
    Os fidalgos que representavam a nobreza,andavam na rua com 9 criados cada um com as suas funções, e eram gozados pela soberba e pela sua vaidade.
    A atitude de Gil Vicente face à nobreza, é que este não se conformava com o pedantismo e o lazer destes fidalgos.

    Agora respondendo à sua pergunta, acho que a realização deste trabalho no blog, será uma mais valia,porque irá convencer os elementos da turma que ainda não vieram ao blog a virem cá.:-)

  13. evasousa said

    Atenção!!
    Eu concordo com a Elsa, os utilizadores frequentes do nosso blog, que fazem um esforço enorme( ;-)) para estarem aqui todos os dias, têm de ser recompensados!!!
    Veja lá prof.!!!😀

  14. ferreirajoma said

    Olá!
    Eu penso que a recompensa para os utilizadores mais frequentes do blog (para já) seria motivarem, incentivarem e ajudarem os outros colegas a passar por cá. Que dizem?🙂
    Quanto a este trabalho em concreto, o que será a “sátira da nobreza”?
    Até já.

  15. andreiafil said

    Como sabem estive~doente e por isso saí da aula !
    Importam-se de me explicar porque é que o trabalho de casa está aqui ?

    É que não tou a perceber “nenhum”!

    Agradecia uma resposta.

  16. ferreirajoma said

    Olá, Andreia!
    De facto, o TPC para amanhã, quinta-feira, é para realizar no blog.
    As indicações estão em cima, neste post. A resposta ao que é pedido é para fazer em comentário aqui. Fácil, não?😉
    Bom trabalho.

  17. andreiafil said

    Ok, obrigado professor🙂
    Apenas achei estranho.
    Até amanhã.

  18. ritakau said

    No dicionário dizia: Sátira:composição poética que tem por objectivo censurar os erros e os vícios do seu tempo ou os defeitos de outrem;

    Por isso a sátira da nobreza era as obras em via poética que tinham por objectivo criticar os erros e vícios dos nobres.

    Acho que está correcto ;D

  19. evasousa said

    Olá!!
    A Nobreza estava naquela altura em decadência económica e cultural, mas mesmo assim continuava a desfrutar de todas as modormias.
    Gil vicente em obras como “Auto da Barca Do Inferno” crítica pedantismo e o lazer que desfrutavam os Nobres.

    Ass: Bruno Esteves Nº5 9ºD😉

  20. evasousa said

    Pois, sátira é isso que a Rita disse!!😉

  21. evasousa said

    Para já, alta recompensa….😀

  22. anapinto94 said

    Olá

    Eu acho qe a situaçao económica e cultural da nobreza estava numa época de decadência e que mesmo assim os nobres nao deixaram de ter as suas regalias . . .
    E… Pelo que percebi Gil Vicente no “Auto da Barca doInferno” critica a maneira como tratavam os trabalhadores e que mesmo em decadência nao deixaram de desfrutar de todas as suas regalias…

    Pronto, já fiz mas deve estar tudo mal….

    Ao menos tentei …..;-)

    Fique bem,😀

  23. elsapinto said

    Olá , em relação à sátira da nobreza , concordo com a Rita (:
    Não vale a pena (acho eu) pôr a mesma coisa que a Rita disse . No dicionário encontrei o mesmo significado !
    Fiquem bem !

  24. filipasp said

    Olá😀

    A nobreza estava em decadência económica e cultural, no entanto, vivia cheia de riquezas, explorando e desprezando o trabalho dos seus servidores, ambiciando por titulos, prometendo muito e nada cumprindo. Apesar da decadência, os fidalgos apresentavam-se na rua com 9 criados, cada um para uma função.
    Gil Vicente criticava a nobreza nas suas obras, como podemos ver no “Auto da Barca do Inferno” pela vaidade, nomeadamente pela soberba e pela ostentação de grandeza.

    Penso também que a realização deste trabalho no blog é uma mais valia visto que assim todos os elementos da turma virem ao blog para deixar o seu comentário.😉

    Fiquem bem😉

  25. dianacatarina said

    Olá professor José Ferreira…
    A minha opinião sobre a situação económica e social da nobreza é:a nobreza tinha muitas riquezas devido à exploração do trabalho, a que não pagava,à ambição de títulos, a apanhar doações e comandos de armadas e capitanias para manter o seu capital. Gil Vicente no “Auto da Barca do Inferno” e na “Farça dos Almocreves”, critica a soberda exagerada,a ganância, o luxo, a vaidade e o aparato feito pela nobreza à custa dos seus servidores a que desfrutavam sem pagar…
    Espero que o trabalho de casa esteja correcto😉

  26. martasilva said

    Olá!
    Aqui está o meu trabalho de casa: 😉
    Nestes textos mostra-se que a nobreza se encontrava numa posição económica e social pouco favorável, pois estava em decadência. Mas, apesar disso, agia com vaidade, com ostentação, mostrava-se superior e achava que o trabalho era indigno da sua classe social. A nobreza explorava o trabalho dos seus criados e desprezáva-os, prometia-lhes coisas e nao cumpria..

    Gil Vicente chamava-os de parasitas à sociedade pois eram “grandes” à custa de servidores a quem nem sequer pagavam, elogiavam o rei à espera de títulos e faziam-se às burguesas para conseguirem um dote..
    A nobreza é uma classe muito atingida por Gil Vicente pois este não se conformava com o seu pedantismo.

    Bem, nao sei se está bem …

    Fiquem bem!😛

  27. andreiafil said

    A Nobreza – classe social onde o Fidalgo se encontra – estava em decadência, tanto a nível económico, como a nível da cultura. Mas, mesmo assim, continuavam a querer viver com as suas riquezas e luxúrias, recusando qualqer tipo de trabalhoe achando-se sempre superiores a todos aqueles que trabalhavam para o sustento do dia a dia e que não tinham tantas “posses” quantos estes.

    Gil Viente pretendia então com esta obra criticá-los, poi não concordava com estas acções e com os caprichos exagerados de um fidalgo, como por exemplo(pág.30, 3ºtexto): andar com 9 criados atrás para satisfazer as suas vontades, sem que estes recebessem depois uma recompnsa e também porque estes andavam pessimamente vestidos.

    Esta é a minha opinião e, foi o que entendi! Espero estar certa🙂

    [Caso tenha algum erro, mesmo a nível ortográfico, corrijam-me sff]🙂

  28. vanessa94 said

    Olá professor…
    A nobreza estava em decadência, tanto económica como cultural, mas vivia uma vida de luxo…
    Perante esta vida da nobreza, a burguesia e os artifíces (classe social onde se inseria Mestre Gil) não se conformavam porque a nobreza não fazia nada de jeito.
    Essa inconformidade revela-se numa das suas farsas (“Farsas dos Almocreves”) e num dos seus autos (“Auto da Barca do Inferno”) caracterizando a nobreza como soberba, insensata e ostenta de grandeza à custa dos servidores.

    Em relação à pergunta do professor, acho que a utilização deste trabalho no blog, será uma mais valia para dinamizar o que fazemos nas aulas a quem visitar o blog.🙂

    Ass. Diana Correia nº8 9ºD

  29. pricunha said

    ola professor … aqui vai o trabalho de casa .

    A nobreza estava em decadência cultural e económica, mas consideravam-se ricos e continuavam a viver com as suas luxúrias! Achavam-se superiores e recusavam qualquer trabalho !

    Gil Vicente nesta obra pretende criticá-los pois nao concordava maneira de ser dos nobres .

    Como já reparou professor, tenho a mesma opinião que os meus colegas !

    fiquem bem 😛

  30. vanessa94 said

    No dicionário dizia que sátira é uma composição poética, mordaz, que ridiculariza vícios ou defeitos.
    Então a “sátira da nobreza” são essas mesmas composições criticando a nobreza.

    Nós achamos que esta bem, porque fomos ver ao dicionário!:)
    Ass: Vanessa e Diana Correia 9ºD

  31. leticia15 said

    A situação económica e social a que a nobreza se encontrava era uma fase de decadência. Estando a passar por esta fase, não deixavam de viver em grandes luxos, a explorar o trabalho dos servidores e desprezando-os, prometendo muito e nada dava, ambicionando títulos, ávida de apanhar doações regias e comandos de armadas e capitanias. Quanto à atitude de Gil Vicente, ele criticava a maneira de ser da nobreza. Na rua apresentavam-se os fidalgos com nove criados (…).
    Nos três textos lidos, todos eles apresentavam uma decadência tanto a nível económico como social, mas continuando a viver em grandes riquezas.

  32. marciazc said

    A nobreza estava em decadência, tanto económico como social. Mas vivia alardeando riquezas, explorando o trabalho dos servidores e desprezando-os, prometendo muito e nada dando, ambicionado títulos, ávida de apanhar doações regias e comandos de armadas e capitanias. Por isso gravitava em trono do Rei, enchendo- o de elogios. Os escudeiros levavam uma vida de parasita. Mas Gil Vicente não se conformava em ver o pedantismo e o lazer destes fidalgos que passavam o tempo a compor maus versos para, acompanhados à viola, os cantarem ás burguesas remediadas, para caçarem os seus dotes. Igualmente rigorosa é a sátira da nobreza e suas dependências, pela soberba insensata, pela ostentação de grandeza, feita à custa dos servidores cujo o trabalho desfrutava sem pagar. Os fidalgos apresentam-se na rua com nove criados.

  33. ferreirajoma said

    Olá!
    De uma forma ou de outra penso que todos os que responderam aqui ao solicitado chegaram ao que era pedido.🙂 Parabéns!

    Peço que confirmem:

    Fizeram este trabalho utilizando o blog os alunos números: 2,3,5,7,8,9,10,12,14,15,16,17,20,21,28.

    Fizeram este trabalho e apresentaram na aula os alunos números: 1,4,25.

    Não fizeram este trabalho os alunos números: 6,11,13,18,19,24,27.

    Até breve.😉

  34. Catarina Gomes said

    Ooh… Ooh… falto eu!!! LOL!😀

    O Fidalgo pertencia à nobreza que era composta pelos filhos daqueles que tinham feito a sua riqueza à custa da exploração do trabalho árduo dos trabalhadores dos seus terrenos, e o seu estatuto advinha dos títulos que eram dados pelo rei e diziam que o seu sangue era azul (blerghh… deviam era estar doentes😛 )

    Agora, no tempo de Gil Vicente, que a riqueza já não era ditada nem adquirida pelo que a terra dava… bem… eram uns pobretanas arrogantes que viviam das aparências😉

    Acertei??🙂

    Desculpem… era só para terminar com uma gargalhada pois rir faz bem à saúde😉

  35. ferreirajoma said

    Não sei se vou aceitar este teu trabalho, é que já passa da data de entrega…😀 Ainda assim, ponho à consideração.😀

  36. Catarina Gomes said

    Thanks!!!😀

    Foi giro dar-me conta de que ainda me lembro bem desta obra… desde os longínquos tempos do meu 9º ano😉
    O que não havia no meu tempo (pareço uma velha a falar! LOL!!) eram blogs! Sortudos!😉

  37. sara26leal said

    professor é só para avisar que o meu número não está nos trabalhos de casa. EU SOU O NÚMERO 26.

  38. marciazc said

    olá stor, lamento muito mas não vou poder passar através do mail a imagem do Frade, mas amanhã na aula eu levo a folha e o professor passa.

    desculpe lá!!!!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: